Você sabe o que é fobia social?

 17/05/2021

Você sabe o que é fobia social?


Ter um pouco de receio ou sentir-se ansioso para falar em público, sair com pessoas novas, entrar num novo emprego ou grupo é normal, faz parte do nosso processo social de adaptação e umas pessoas conseguem reagir a essas situações de uma forma mais espontânea que outras, pela personalidade.

No entanto, quando essas situações geram um medo extremo, fazendo com que a pessoa as evite, a qualquer custo, é preciso estar atento, pois pode ser fobia social.


O que é a fobia social?

A fobia social é a incapacidade de lidar com situações de interações sociais com desconhecidos ou em lugares que coloquem a pessoa em evidência, gerando um extremo desconforto e nervosismo, fazendo com que ela se sinta vulnerável e evite essas situações a qualquer custo.

Quem possui fobia social age dessa forma, porque acredita que está sendo analisada o tempo inteiro e julgada pelas suas palavras, comportamento e atitudes.

Quais os sintomas da fobia social?

Os sintomas da fobia social são formados por um conjunto de sensações emocionais e físicas que a pessoa pode sentir, além da externalização do comportamento em virtude desse transtorno.

Às vezes, os sintomas da fobia social podem ser confundidos com as características da personalidade de uma pessoa tímida, mas suas consequências são muito mais graves.

Enquanto uma pessoa tímida experimenta um pouco de nervosismo em situações novas ou de exposição, quem tem fobia social sofre uma reação muito mais intensa, de verdadeiro pavor e com muita ansiedade. Com isso, toda sua estrutura de vida e rotina são afetadas, prejudicando seu trabalho, estudos, relacionamentos e amizades.


Sintomas comportamentais da fobia social:

  • Medo de interagir com pessoas desconhecidas, autoridades ou de destaque
  • Medo de demonstrar nervosismo e ansiedade
  • Medo de demonstrar sintomas físicos (como rubor e voz trêmula)
  • Receio em passar por constrangimentos
  • Ansiedade extrema que antecede um evento, compromisso ou encontro
  • Receio em ser colocado em evidência em alguma situação
  • Receio de chegar em uma sala já com as pessoas sentadas
  • Ficar apreensivo em posicionar-se em discordância com alguma pessoa
  • Receio de expressar sua opinião
  • Pavor de situações em que pode ser avaliado
  • Ficar nervoso ao reunir-se com amigos em uma festa ou colegas do trabalho fora do expediente
  • Receio de atender ao telefone ou outras chamadas
  • Desconforto em manter contato visual com alguém durante uma conversa


Sintomas físicos da fobia social:

  • Respiração ofegante
  • Batimento cardíaco acelerado
  • Enrubescimento da face
  • Náuseas ou enjoo
  • Confusão mental
  • Dor de barriga
  • Tensão muscular
  • Tontura ou desorientação

Além de todos esses possíveis sintomas, pessoas com fobia social sentem-se avaliadas e julgadas por todos o tempo todo. Por isso, sempre depois de passarem por uma situação que tenha causado desconforto, elas ficarão analisando por muito tempo depois o seu desempenho, em um looping ansioso, em busca de erros que possam ter cometido em relação ao seu comportamento ou o que falou ou deixou de falar, por exemplo.

Por que as pessoas podem desenvolver fobia social?

As causas para a fobia social podem ser inúmeras, mas quase sempre estão relacionadas com o ambiente no qual aquela pessoa está inserida, suas relações, personalidade e até mesmo fatores genéticos.
 
Indo dos fatores biológicos às questões comportamentais e ambientais, podemos citar a hereditariedade, pois apesar de não haver comprovação científica nesse caso, a fobia social é mais comum em pessoas que têm histórico na família. A estrutura cerebral também pode influenciar, pois uma hiperatividade em determinadas regiões podem tornar a pessoa suscetível a situações ansiosas.
 
Já em relação aos fatores ambientais, que são mais determinantes nesses casos, a criação que a criança recebeu dos pais é algo bastante importante, bem como sua vivência na escola. Crianças tendem a desenvolver fobia social quando criadas em um meio muito repressivo ou sem afeto. No caso da escola, crianças que sofrem bullying ou possuem dificuldade de aprendizagem também têm mais chances de desenvolver o transtorno.
 
É importante ressaltar que pessoas com personalidade com traços de timidez têm mais probabilidade de desenvolver fobia social. Por isso, ficar atento aos sinais nas crianças, que podem ser observados em situações em que a criança evita de encontrar os coleguinhas, está recluso demais ou não se envolve em nenhum círculo social. Nesses casos, a criança precisa ser estimulada para conseguir lidar melhor com situações que envolvam contato social. A ajuda de um psicólogo ou psiquiatra é muito bem vinda. O mesmo vale para adultos.

Convivendo com a fobia social

Quando o diagnóstico é realizado, além de seguir o tratamento orientado pelo médico psiquiatra e pelo psicólogo, é interessante que o paciente busque novas formas de se relacionar e de enfrentar as situações evitadas em virtude da fobia social.
 
Conte com as pessoas mais próximas de você e estreite seus laços com quem você se sente mais à vontade para ter o apoio que precisa para essa mudança de atitude. Aceite seus convites para ir a eventos com pessoas novas; isso pode ser uma forma de se desafiar com segurança.

Mantenha o seu entusiasmo e otimismo no tratamento, pois os resultados vão surgindo pouco a pouco, mas são duradouros. Lembre-se sempre que somos seres sociais e que precisamos compartilhar vivências e experiências, portanto, conseguir relacionar-se com outras pessoas de forma saudável é benéfico para a sua saúde mental e para todas as esferas da sua vida.
 
O primeiro grande e bom passo é procurar ajuda profissional. O profissional de saúde mental vai ajudar você a identificar o quanto a sua timidez realmente lhe preocupa ou prejudica e, assim, propor exercícios e dinâmicas para que você consiga modificar os comportamentos que precisa ou deseja em relação a isso.

Quando sente que algo não vai bem, peça ajuda

Não devemos negligenciar o que sentimos. Muitas vezes, comportamentos aprendidos que trazem sofrimento e prejudicam nossos relacionamentos são classificados por nós mesmos ou outras pessoas próximas como "coisas de personalidade''. Essa é uma ideia que precisa ser modificada e começa por você.
 
Sempre que sentir que algo lhe machuca, peça ajuda profissional para reconhecer o problema e descobrir o que pode fazer para mudar. E pode contar com a gente para isso!

------------------------------------------------------------
Hospital Psiquiátrico Porto Seguro
Agende uma consulta:
41.3019-1234 ou clique aqui



  Voltar